A TERRA NÃO É PLANA!

Mais de 70 pessoas participam do experimento de Eratóstenes e comprovam: a circunferência da Terra tem cerca de 38.400km

Está comprovado mais uma vez: a Terra não é plana. Mais de 70 pessoas refizeram no último sábado (20), Equinócio de Outono, o experimento realizado por Eratóstenes há 2 mil anos. De lugares diferentes, elas mediram a sombra projetada em uma haste ao meio-dia local. Os valores encontrados são bem diferentes, o que demonstra a curvatura do planeta. O Espaço Ciência comparou as medidas, fez os cálculos e chegou a um valor de 38,400km para a circunferência da Terra.

A medida tem uma diferença de 1.675km, ou um pouco mais de 4%, em relação aos valores calculados atualmente. Segundo o coordenador do Observatório da Sé, Cleiton Batista, o Espaço Ciência utilizou a média das medidas encontradas pelos participantes do experimento: 12,7cm para o comprimento da sombra projetada e um ângulo de 7,4º, utilizando a inversa da tangente.

Mesmo com mais de 70 participantes, não foram feitas medidas em dois lugares que se encontrassem em um mesmo meridiano e situados na distância necessária para fazer os cálculos, de cerca de 400km. “Então fizemos algumas simulações para obter a média da circunferência da Terra”, explica Cleiton.

Ele ressalta que o Espaço Ciência volta a repetir o experimento em setembro, no Equinócio de Primavera. “Esperamos a adesão de pessoas de cidades um pouco mais distantes, para chegarmos a resultados mais precisos”, diz.

Segundo ele, esta comparação entre dos pontos no mesmo meridiano pôde ser feita quando o experimento foi realizado durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, entre uma medida registrada em Floresta-PE e outra em Feira de Santana- BA, situadas na mesma longitude (-39⁰) e a mais de 400km de distância.

No último sábado, os participantes foram todos de Pernambuco – a maioria da Região Metropolitana e Zona da Mata. Mesmo assim, a comparação entre os resultados não deixa dúvidas: a Terra não é plana.

Marcos Vinícius, de São Vicente Férrer, registrou uma sombra de 19cm em uma haste de 61cm, ao meio-dia local. Já para Giovanni Rodrigues, de Olinda, a sombra em uma haste do mesmo tamanho ao meio-dia local foi de 8,6cm. Em Nazaré da Mata, José Valdevino encontrou uma sombra de 12cm para uma haste de 1m ao meio-dia local; em Recife, Emanuelle Silva registrou o valor de 16cm para a sombra de uma haste de igual tamanho.

Tais comparações demonstram que a apresenta curvatura, visto que os valores alteram-se de acordo com localização do participante, mesmo no momento do meio dia solar, ou seja, quando o Sol atinge o zênite. “Se a terra fosse plana, independentemente do local da realização do experimento, durante o momento do meio dia solar, não teríamos projeção de sombra”, diz Cleiton.

Comentários estão fechados.