ASTRONOMIA EM SANTA FILOMENA

Espaço Ciência e UFRPE querem transformar a cidade de Santa Filomena em um polo de popularização da Astronomia

Criação de um Clube de Astronomia, realização de eventos astronômicos, cursos de formação para estudantes e professores… Estas são algumas das propostas que serão implantadas na cidade de Santa Filomena, graças à parceria entre a Prefeitura Municipal, Espaço Ciência, UFRPE, Observatório Nacional e Facepe. Em reunião nesta quinta (24), todas as sugestões elaboradas sob a coordenação do astrofísico Antonio Carlos Miranda, foram acatadas pelo prefeito Cleomatson Coelho.

Uma das ideias é a proposição de uma Lei Municipal instituindo o Dia do Meteorito, em 19 de agosto. Nesta data, a pequena cidadezinha no Sertão pernambucano entrou no mapa mundial da Astronomia após a queda de um meteorito no local. “Desde então, a cidade foi invadida por gente de todo mundo à procura dos fragmentos. É importante que os habitantes da cidade se apropriem do significado deste evento astronômico”, afirma Antonio Carlos Miranda, professor da UFRPE e coordenador do projeto Desvendando o Céu Austral.

Nesta quinta-feira, Miranda, acompanhado pelo coordenador de Astronomia do Espaço Ciência, Cleiton Batista, e pela equipe do “Desvendando o Céu Austral” realizaram uma concorrida noite de observação astronômica na cidade.

Outra proposta é a criação de um Clube de Astronomia na cidade. Para isso, algumas sementes já foram plantadas. A FACEPE garantiu quatro bolsas de Iniciação Científica para os estudantes da cidade que quiserem se dedicar ao projeto; o Observatório Nacional cedeu um Sistema de monitoramento de meteoritos – EXOSS; e a UFRPE emprestou um telescópio, que já está na cidade.

Também serão garantidos apoio técnico e cursos de formação para estudantes e professores por meio do Espaço Ciência e da equipe do projeto Desvendando o Céu Austral, da UFRPE.  O grupo de parceiros também entregou à Prefeitura um projeto de instalação do “Observatório Astronômico de Santa Filomena”.

Para 2021, dois eventos já estão previstos: uma visita técnica ao Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica (OASI), em Itacuruba; e a realização da Semana de Popularização da Ciência do Semiárido, em agosto. “Queremos que a queda do meteorito na cidade possa servir como propulsor de uma intensa atividade de popularização da Astronomia no local”, afirma Cleiton Batista, coordenador de Astronomia do Espaço Ciência e responsável pelo Observatório da Sé.

PROJETOS DE LEI – Dois projetos tramitam na Câmara dos Deputados referentes à propriedade de meteoritos: de acordo com o PL 4529/20, todos os meteoritos encontrados no solo ou no mar territorial serão bens da União e é proibido o envio para o exterior dos minerais sem licença da Agência Nacional de Mineração (ANM). Já o PL 4471/20 estabelece que o meteorito que cair em solo brasileiro pertencerá ao proprietário do imóvel, quando atingir área particular; e à União, quando atingir imóvel de sua propriedade ou de estado, de município ou do Distrito Federal.

Comentários estão fechados.