INVERNO COMEÇA NESTE SÁBADO, 20

Confira oito curiosidades sobre os solstícios e as estações do ano

Neste sábado, 20 de junho, quem mora no Hemisfério Sul terá a noite mais longa do ano. A data marca, oficialmente, o início do Inverno em nossa região. Ou do Verão, para quem está no Hemisfério Norte. No Norte e Nordeste do Brasil, as temperaturas tornam-se mais homogêneas, com mínimas variando em torno de 22ºC e máximas variando entre 30 e 32ºC. Que tal aproveitar para conhecer oito curiosidades sobre as estações do ano?

  1. As estações do ano não ocorrem por que a Terra fica mais perto ou mais longe do Sol. Ocorrem por que sua trajetória ao redor do Sol é inclinada. Em junho, o Hemisfério Norte se inclina em direção ao Sol, deixando o Hemisfério Sul com menos contato com a luz solar. Ou seja, é Verão no Norte e Inverno no Sul.
  2. Nos solstícios, o sol atinge a maior declinação em relação à linha do Equador. Por isso, há diferença entre a duração das noites e dos dias. Para quem mora perto da linha do Equador, essa diferença não é tão perceptível. Mas, para quem está mais ao Sul ou ao Norte, as noites podem ser até quatro horas mais longas ou mais curtas.
  3. E nos Círculos Polares? Durante o inverno no hemisfério sul, o Sol fica abaixo do horizonte 24h na região do círculo polar sul da Terra, fenômeno conhecido como noite polar. No círculo polar norte, o Sol fica acima do horizonte 24h, o que é conhecido como Sol da meia-noite. Significa escuridão permanente por seis meses no polo Sul, e céu claro ininterrupto no Norte.

CONFIRA COMO É UMA NOITE POLAR

CONFIRA COMO É O SOL DA MEIA NOITE

  1. Em países que estão apenas próximos dos círculos polares, o tempo de permanência de escuridão ou céu claro dura em média 3 meses.
  2. Nos Equinócios, que marcam o início da Primavera e do Outono, nenhum dos polos está inclinado em relação ao Sol e, por isso, dias e noites têm a mesma duração.
  3. As festas juninas, com suas fogueiras e fogos, derivam de um ritual ligado a chegada do Verão para os antigos povos do Norte. Estes rituais cultuavam o fogo e o tempo de colheitas. Como era difícil destruí-los, a cultura cristã absorveu estes cultos e símbolos, dando a eles outro significado. Mas as festas continuaram e, aqui, se misturaram a outros ritos indígenas e africanos.
  4. Na mitologia Grega, a história de Perséfone – deusa da primavera e filha de Zeus e Deméter – é usada para explicar a mudança das estações. Perséfone foi raptada por Hades, deus do submundo, que lhe fez sua esposa. Deméter, sua mãe, exigiu que Hades lhe devolvesse a filha. Ela, então, passou a ficar parte do tempo no submundo e outra parte com sua mãe. Durante sua ausência no mundo dos mortos, o inverno prevalece.
  5. Na mitologia Persa, o solstício de inverno é chamado de Yaldâ, que significa nascimento, e marca a véspera do nascimento de Mitra, símbolo da luz, bondade e força na Terra.

 

FONTES:

  • Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais: Introdução à Astronomia e Astrofísica. São José dos Campos, 2003.
  • MARK, Daniels. A história da mitologia para quem tem pressa. 6ª Edição, Editora Valentina. Rio de Janeiro, 2019.
  • STUART, Colin. A história do universo para quem tem pressa: do big bang às mais recentes descobertas da Astronomia. 1ª Edição, Editora Valentina. Rio deJaneiro, 2018.
  • Agência Pernambucana de Águas e Clima. Meteorologia: estações do ano. 2020. Disponível em: < http://www.apac.pe.gov.br/meteorologia/estacoes-do-ano.php>. Acesso em: 16/06/2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *