MEIO SÉCULO DO DIA DA TERRA

22 de abril é dia de refletir sobre o futuro que queremos para o planeta e fomentar ações que protejam o meio ambiente

O dia Internacional da Terra completa, em 2020, 50 anos de existência. Criada em 1970, a primeira manifestação juntou duas mil universidades, dez mil escolas primárias e secundárias e centenas de comunidades dos Estados Unidos. Desde então, o movimento cresceu, tomou escala global e, somente em 2009, a data foi reconhecida pela ONU. Para lembrarmos a data, o Espaço Ciência convida a refletir:

– Que futuro você quer para o planeta?
Compartilhe conosco sua reflexão com desenhos, poemas ou vídeos de até um minuto. Envie para comunicacaoec@gmail.com

Desde as primeiras ações realizadas em defesa do meio ambiente no dia 22 de abril, alguns resultados já foram obtidos. É o caso da criação da  Agência de Proteção Ambiental norte-americana (1970) e, dois anos depois, da realização da Conferência de Estocolmo – primeira conferência internacional sobre meio ambiente. 

No ano passado, o planeta registrou a maior concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera desde os primeiros registros de existência humana. Foram 415 miligramas por litro (mg/L), frutos sobretudo da queima de combustíveis fósseis e desmatamento. Em 2017, um levantamento feito pelo World Resources Institute (WRI) mostrou que, em apenas um ano, o mundo perdera cobertura vegetal de tamanho equivalente à Itália. 

Poluição da água, do ar e da terra; extinção de espécies, superpopulação, degradação do solo… não faltam exemplos de que nós, seres humanos, usamos muito mal os recursos que são oferecidos pela natureza. “O Dia da Terra serve como um alerta: nós somos privilegiados por viver em um planeta tão favorecido pelos recursos naturais. Mas isso pode acabar se a gente não adotar novos hábitos para o futuro. Esperamos que este período de pandemia ajude o mundo a se reavaliar e construir uma nova forma de lidar com o ecossistema”, opina Fabiana do Carmo, da Coordenação de Meio Ambiente e Manguezal do Espaço Ciência. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *