SEMANA DOS POVOS INDÍGENAS

Espaço Ciência te convida a celebrar a Semana dos Povos Indígenas de um jeito diferente

Em tempos de pandemia e isolamento, o Espaço Ciência convida a celebrar a Semana dos Povos Indígenas de uma forma diferente. As ações da semana estão sendo lançadas virtualmente para que cada um possa desenvolver em sua casa, com a família. São cinco atividades, elaboradas por monitores do Museu. Todos eles gravaram vídeos nos quais explicam um pouco sobre suas propostas e convidam você a executar as atividades, registrá-las em vídeo e enviar para comunicacaoec@gmail.com, para que elas possam ser compartilhadas no canal do Youtube do Espaço CiênciaPE (Acesse aqui).

Os participantes poderão saber sobre a tradição do uso medicinal de plantas e ervas e plantar suas sementes; poderão entender um pouco da Ciência que existe no pau de chuva e confeccionar seu próprio instrumento; ou aprender um jogo de origem indígena chamado Jogo da Onça ou Adugo. Poderão ainda fazer suas maracas enquanto descobrem sobre a importância sagrada da música para várias etnias indígenas; ou meter a mão no barro e brincar de ser ceramista. Confira:

ATIVIDADE 1: PLANTANDO TRADIÇÕES

ACESSE O VÍDEO

O conhecimento das plantas e ervas e seu uso medicinal é parte da tradição e dos saberes de diferentes povos indígenas. Nesta atividade, as monitoras Daiane e Ester te convidam a conhecer algumas delas, seu nome científico e as formas como são utilizadas.

Para participar desta atividade, você tem três possibilidades:

1. Se tiver sementes em casa, que tal plantá-las e cuidar delas?

2. Se tiver alguma erva, que tal mostrar como ela pode ser usada?

3. Peça para sua avó ou alguém da família contar sobre como costumam usar as plantas/ervas para a saúde.

Lembre de registrar tudo em vídeo e enviar para comunicacaoec@gmail.com, para postarmos em nosso canal do Youtube.

ATIVIDADE 2: TEM CIÊNCIA NO PAU DE CHUVA!

(ACESSE O VÍDEO)

Você conhece o pau de chuva? Aquele instrumento musical que faz um barulhinho semelhante ao da chuva? Ele é muito usado em rituais de cura de algumas etnias indígenas… Mas você sabia que tem muita Ciência na música e neste instrumento? Nesta atividade, as monitoras Nathália e Priscila te mostram um pouco da Ciência do pau de chuva e dão dicas para você fazer o seu. O desafio é esse: que tal confeccionar seu próprio instrumento?

Lembre de registrar em vídeo e enviar para comunicacaoec@gmail.com para compartilharmos no nosso Canal.

ATIVIDADE 3: JOGO DA ONÇA

(ACESSE O VÍDEO)

Este é um jogo de origem indígena, sobretudo da etnia Bororo. Chama-se Jogo da Onça ou Adugo. Entre os povos indígenas, o tabuleiro era riscado no chão e eles usavam pedras como peças. São oito cachorros e uma onça: o objetivo dos cachorros é encurralar a onça e o objetivo da onça é acabar com, pelo menos, seis cachorros. Nesta atividade, o monitor Asafe faz uma associação entre o jogo e o processo de resistência indígena, seja contra os Europeus ou na defesa de suas terras. Em 1500, eram cerca de 3 milhões de indígenas no Brasil. Um século depois, eles já eram apenas 700 mil. E continuam resistindo! O desafio neste jogo é construir seu tabuleiro e jogar com a família!

Lembre de registrar em vídeo e enviar para comunicacaoec@gmail.com para compartilharmos no nosso Canal.

ATIVIDADE 4: CONSTRUA SUA MARACA!

(ACESSE O VÍDEO)

Para muitos povos indígenas, a música é mais que diversão: é uma forma de se conectarem com os ancestrais e com a natureza. O Toré, por exemplo, é parte dos rituais sagrados de boa parte das etnias indígenas brasileiras. Nesta atividade, os monitores Pio e Thiago te ensinam a fazer uma maraca de forma bem simples, usando materiais bastante acessíveis. O desafio é construir a sua!

Lembre de registrar em vídeo e enviar para comunicacaoec@gmail.com para compartilharmos no nosso Canal.

ATIVIDADE 5: MÃOS NO BARRO!

(ACESSE O VÍDEO)

O Brasil tem muitas etnias diferentes e cada uma tem suas especificidades. Pintura corporal, trabalho com cestaria, plumagem, sementes, máscaras e cerâmica são algumas das ricas tradições de nossos povos indígenas. Os povos Marajoara, por exemplo, tem um padrão de cerâmica que é reconhecido até no exterior. Por isso, nesta atividade, o monitor Thiago Mitchel te convida a botar as mãos na massa: se você tem argila em casa, pode confeccionar recipientes, jarros, vasos ou esculturas. Use um palito para fazer os detalhes e criar seus próprios padrões gráficos, inspirados na arte indígena.

Lembre de registrar em vídeo e enviar para comunicacaoec@gmail.com para compartilharmos no nosso Canal.

 

Em outros anos, o Espaço Ciência contou com a parceria dos povos Fulni-ô, que conversavam um pouco com os visitantes e mostravam sua dança, canto e artesanato. Os Fulni-ô, etnia indígena que vive no município de Águas Belas, dedicam-se ao artesanato e mantêm vivas várias tradições ancestrais. São também a única etnia pernambucana que conservam seu dialeto indígena: o Yaathée.

ACESSE O VÍDEO

e relembre a participação dos Fulni-ô em várias edições da Semana dos Povos Indígenas. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *