FEIRA DE CIÊNCIAS EM FERREIROS

I Fecetef reúne, nesta quarta (4), trabalhos das oito escolas locais e de outros quatro municípios

Mais uma cidade realiza sua primeira Feira Municipal de Ciências este ano. A I Fecetef, de Ferreiros, reúne nesta quarta (04) projetos das oito escolas locais e de outros quatro municípios vizinhos: Camutanga, Itambé, Timbaúba e Vicência. Nesta terça e quarta (03 e 04), Recife realiza sua FECON e, no dia 13 de dezembro, Flores realiza a quarta edição da  FECITI.

O Espaço Ciência está buscando o mapeamento de todas as Feiras realizadas no estado. Para isso, os organizadores de Feiras – escolares, municipais ou de qualquer alcance – devem preencher o formulário abaixo:

REALIZE O CADASTRO DE SUA FEIRA DE CIÊNCIAS

A ampliação no número de Feiras de Ciências em Pernambuco é fruto do projeto “Feiras de Ciências em toda parte”, que vem sendo desenvolvido pelo Espaço Ciência desde o início do ano. Ferreiros, por exemplo, foi um dos municípios que promoveram seminário de formação para os educadores, ministrado pelo diretor do Espaço Ciência Antonio Carlos Pavão. Ao todo, foram realizados seminários em onze cidades, contemplando cerca de 1.500 educadores.

“O crescimento no número de feiras de ciências em Pernambuco se reverte nos bons resultados da Educação. Queremos mais: que cada cidade e cada escola tenham sua Feira de Ciências como parte de uma estratégia pedagógica de fomento à experimentação e pesquisa”, afirma Pavão.  

A partir desta terça, cerca de mil estudantes da rede municipal de ensino do Recife apresentarão 300 trabalhos no  Centro de Convenções de Olinda. A exposição dos projetos será na terça e quarta (3 e 4), com solenidade de premiação na quinta-feira (5). O Ciência Móvel, programa itinerante do Espaço Ciência, compõe a programação da Feira.

O Ciência Móvel esteve também na I MOVCiência – Mostra de Vivências Científicas de Moreno, que do Colégio Municipal Baltazar Moreno, na sexta-feira passada, 29 de novembro. Foram onze projetos sobre temas escolhidos pelos jovens, trabalhados e investigados durante boa parte do ano letivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *