MULHERES E MENINAS NA CIÊNCIA

Dia das Mulheres e Meninas na Ciência alerta para importância de reverter estereótipos de gênero

Nesta segunda, 11 de fevereiro, celebra-se o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência. A data foi instituída pela Assembleia das Nações Unidas em 22 de dezembro de 2015, como forma de desconstruir os padrões de gênero que afastam as meninas e mulheres de algumas áreas da Ciência.

As mulheres são cerca de metade da população mundial, mas são apenas 28% dos pesquisadores de todo o mundo. Elas também têm menos reconhecimento: apenas 17 receberam o Prêmio Nobel de Física, Química ou Medicina desde Marie Curie, em 1903, em comparação a 572 homens.

Para ampliar a visibilidade das pesquisas realizadas pelas mulheres cientistas, algumas iniciativas vêm sendo desenvolvidas por diversas instituições. No ano passado, a pesquisadora da Universidade Federal de Pernambuco, Nathalia Bezerra, foi uma das sete vencedoras da 13ª edição do prêmio “Para Mulheres na Ciência”, desenvolvido pela L’Oréal Brasil em parceria com a Unesco no Brasil e Academia Brasileira de Ciências(ABC).

Photo: © Stephan Gladieu / World Bank

Seu trabalho, focado na área da Química, utiliza técnicas como microscopia de fluorescência (propriedade que algumas substâncias possuem após excitadas com radiação de baixo comprimento de onda) e química quântica para analisar as reações que envolvem a degradação do cimento. O objetivo é propor novas formas para o armazenamento do material, na busca de sua durabilidade.

Em Pernambuco, vale destacar o Programa Futuras Cientistas, desenvolvido pelo CETENE – Centro de Tecnologias Estratégicas no Nordeste. O objetivo é inserir estudantes e professoras do Ensino Médio, de Escolas Estaduais localizadas no estado, em atividades de pesquisa desenvolvidas no CETENE. Os editais geralmente são lançados no mês de agosto e devem ser acessados pelo site www.cetene.gov.br/.

O objetivo do CETENE é estimular o interesse e promover a participação de mulheres, professoras e estudantes do Ensino Médio, nas áreas de Ciência e Tecnologia, por meio de sua aproximação de Centros Tecnológicos e Instituições de Pesquisa.

Outra iniciativa que vale conferir é a página no Facebook Meninas e Mulheres na Ciência,  idealizado e organizado por mulheres que estudam e atuam em diversas áreas das ciências do Rio de Janeiro e que compõem um projeto que inclui a realização da Semana de Meninas e Mulheres na Ciência. ACESSE A FANPAGE  E também o site Mulheres na Ciencia que, criado de forma colaborativa em 2016, “é um espaço para mulheres cientistas contarem suas histórias e discutirem sua posição no mundo científico do ponto de vista feminino”. ACESSE O SITE

No Brasil, resultados do Terceiro Estudo Regional Comparativo e Explicativo (Terce), realizado pelo Laboratório Latino-americano de Avaliação da Qualidade da Educação, revelam que no 4º ano do ensino fundamental as meninas têm desempenho melhor que os meninos em matemática, com uma diferença de pouco menos de 15 pontos. No 7º ano do ensino fundamental, o cenário é invertido: os meninos passam a ter desempenho melhor que o das meninas, com aproximadamente 15 pontos a mais.

Para a pesquisadora Theophania Chavatzia, especialista da Unesco e autora do estudo Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM), “as meninas perdem o interesse nessas áreas quando crescem porque os estereótipos de gênero ficam mais e mais fortes, fazendo com que elas tendam a prestar mais atenção em outras aulas e a escolher outras carreiras”.

Reproduzimos abaixo a entrevista com a pesquisadora, feita pela repórter Mariana Tokarnia, da Agência Brasil, em julho do ano passado: (ACESSE A AGÊNCIA BRASIL)

Agência Brasil: O que afasta as meninas desde cedo de STEM?

Theophania Chavatzia: A resposta é mais complexa do que se pensa. Há uma série de fatores que se sobrepõem uns aos outros, que têm a ver com o nível individual e também com a interação social e socialização no processo de aprendizagem, na família, na escola e na sociedade em geral. Estudos mostram as diferenças, por exemplo, na maneira como somos criados, como meninas ou meninos, pelos nossos pais e até as diferenças na atenção e nas oportunidades em brincadeiras e na aprendizagem. Por causa disso e da presença majoritária masculina, essas carreiras não são consideradas apropriadas para meninas. Meninas tendem a crescer acreditando que STEM não é para elas, que não é um campo apropriado.

Isso é reforçado pelo fato de que elas não veem pessoas que se destacam nessas carreiras que sejam mulheres, isso tanto na mídia, quanto na escola. As meninas tendem a acreditar que elas não são tão boas em STEM quanto os meninos. São estereótipos. Tendem a acreditar que são melhores em humanidades, por exemplo, e que não são boas em ciências ou que não são tão boas quanto os homens. Tendem a assimilar esse estereótipo e a ficar longe. Quando elas vão para a escola, ao invés de quebrar o estereótipo, muitas vezes isso é reforçado pelas atitudes dos professores, que também carregam esses estereótipos e até mesmo pelo currículo. Estudos mostram que não existem fatores biológicos ou psicológicos que justifiquem essa diferença em STEM, isso é reflexo da socialização. Poderíamos falar sobre isso por horas, mas acredito que esses sejam os principais fatores que afastam as meninas de carreiras em STEM. 

Agência Brasil: Há diferenças entre países ricos e pobres?

Theophania Chavatzia: Os dados mostram que isso não é baseado na riqueza de um país. Afeta tanto países em desenvolvimento quanto países desenvolvidos. Todos são afetados pelos mesmos estereótipos. 

Agência Brasil: O que o mundo perde com menos meninas em STEM? 

Theophania Chavatzia: Se continuarmos excluindo metade da população, isso significa que metade da produção e metade potencial não serão aproveitados no futuro. Reconhecemos, cada vez mais, a importância de STEM, da ciência e tecnologia para os avanços e para as soluções dos problemas da nossa era. Se deixamos metade da população de fora, isso significa que teremos metade da população que não estará olhando e não apresentará soluções. Essa é uma perspectiva. Outra é que estamos mantendo as desigualdades de gênero em geral. Se considerarmos STEM como o trabalho do futuro, com melhores salários e reconhecimento, e excluirmos as mulheres, estamos reforçando as desigualdades. 

Agência Brasil: O que pode ser feito para reverter esse cenário? 

Theophania Chavatzia: Países que têm políticas de inclusão de ciência, tecnologia e STEM, em geral, mostram que meninas podem ter um desempenho três vezes melhor que o dos meninos. Precisamos de políticas apropriadas, que encorajem a participação das meninas. A Austrália está investindo milhões para promover educação em STEM para meninas, ofertando bolsas de estudos e programas que encorajam a participação feminina. Tratam-se de áreas em que sabemos que as meninas são afetadas por estereótipos, tem que ter um esforço para engajá-las. Quando elas têm oportunidade, veem que, na verdade, não são ruins, que podem gostar e que podem fazer isso. Temos que desmistificar STEM, desafiar os estereótipos e prover oportunidades para as meninas aprenderem. 

Temos que olhar também para a qualidade da educação em STEM e para a qualidade na formação dos professores. Eles precisam ser bem treinados em STEM e também bem treinados em abordagens de gênero, têm que reconhecer o que afasta as meninas, têm que balancear isso e encorajá-las. Se fosse preciso destacar uma ação para reverter o quadro atual, eu destacaria a capacitação dos professores, tanto a formação inicial, antes de começar a dar aulas, quanto a formação continuada, ao longo da carreira. 

Agência Brasil: O que você destacaria sobre o Brasil? 

Theophania Chavatzia: Antes de ir para a educação em STEM, todas as crianças e adolescentes têm que estar na escola. Tem que haver medidas para isso, para incluir tanto meninos e meninas. Estudos sobre o Brasil confirmam os achados gerais. As meninas têm melhor performance que os meninos no primeiro ano avaliado em ciências. Três anos depois, são os meninos que têm performance melhor. Temos que examinar o que está acontecendo no sistema educacional, que em três anos reverte a situação. Sabemos que meninas perdem o interesse em STEM quando crescem, porque os estereótipos de gênero ficam mais e mais fortes, fazendo com que elas tendam a não se identificar com STEM, a prestar mais atenção em outras aulas e a escolher outras carreiras.

Com Agência Brasil, Unesco e Cetene

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *