LEITE LOPES, 100 ANOS

Centenário do físico José Leite Lopes marcado pelas discussões sobre a Ciência para redução das desigualdades

Se vivo estivesse, o físico José Leite Lopes, Notável Cientista de Pernambuco, talvez estivesse participando das atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, conhecido como era por sua vocação para o ensino de ciências. Sua preocupação com o papel ético e social do cientista certamente o colocaria no centro dos debates sobre a Ciência para redução das desigualdades, tema da SNCT deste ano. Para o centenário de Leite Lopes, que acontece neste domingo, 28 de outubro, o espaço Ciência preparou uma programação especial.

No dia posterior à data do centenário, segunda-feira (29), os visitantes serão recebidos pelo boneco gigante de José Leite Lopes e atividades especiais voltadas à área de atuação do cientista. O físico nasceu e iniciou seus estudos no Recife. Mas têm atuação e reconhecimento internacional.

No Brasil, atuou no Instituto LaFayette e no Instituto de Biofísica, do Rio de Janeiro; no Departamento de Física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Paulo; e foi um dos fundadores, junto com Mário Schenberg, Lattes, e outros pesquisadores, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), em 1949.

Fora do país,  fez Doutorado na Universidade de Princeton (USA) e teve como orientador de Tese Wolfgang Pauli, prêmio Nobel de Física em 1945 e um dos fundadores da mecânica quântica. Trabalhou, ainda, com outros ganhadores do Prêmio Nobel, a exemplo de Richard Feynman, com quem realizou pesquisas sobre a descrição do Deutron, pela teoria pseudo-escalar, com um tratamento adequado à singularidade da força tensorial na origem.

Um de seus mais famosos artigos, “A Model of the Universal Fermi Interaction”, publicado em 1958, serviu de base para vários outros estudos. As teses nele apresentadas foram comprovadas pelos cientistas Abdus Salam, Steve Weinberg e Sheldon Glascow, também agraciados com o Nobel de Física por este trabalho inspirado por Leite Lopes.

Perseguido pela ditadura militar, aposentado compulsoriamente e exilado, ele só pôde retornar definitivamente ao Brasil em 1985, onde dirigiu o CBPF até 89. Morreu, aos 87 anos, em 2006. LEIA MAIS SOBRE LEITE LOPES

José Leite Lopes é um dos Notáveis Cientistas de Pernambuco que, no último dia 25, ganhou três novos integrantes em Sessão Solene na Assembleia Legislativa. A sessão é realizada há 12 anos, sempre durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. A cada ano, três cientistas são escolhidos para compor a Caravana que circula por todo o estado como parte da ação itinerante do Espaço Ciência.

CONFIRA COMO FOI A SESSÃO SOLENE

SAIBA MAIS SOBRE A CARAVANA DOS NOTÁVEIS CIENTISTAS DE PERNAMBUCO 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *