MEMÓRIA EM CHAMAS

Incêndio no Museu Nacional é retrato do descaso pelo patrimônio histórico, cultural e científico do país

O Espaço Ciência e a Associação de Amigos do Espaço Ciência se unem à comunidade científica de todo o país, em luto pela perda irreparável causada pelo incêndio no Museu Nacional da Quinta da Boa Vista. “O museu mais antigo do país foi abaixo pela irresponsabilidade do poder público. Esse incêndio é um retrato do descaso para com nosso patrimônio histórico, cultural e científico”, lamenta o diretor do Espaço Ciência, Antonio Carlos Pavão.

Foram lançados às chamas 200 anos de pesquisas, com a destruição de 20 milhões de peças. O incêndio não foi um acidente. Foi o resultado da política de cortes e descaso. Em fevereiro, quando o Museu completou 200 anos, o diretor da instituição, Alexander Kellner, alertara: “Só temos verbas para medidas paliativas de prevenção”.

Em 2018, dos R$ 515 mil previstos como orçamento anual, só tinham sido repassados R$ 54 mil. “No Brasil, quem destrói o patrimônio é o próprio governo, que contingencia verbas e negligencia a conservação de seu legado”, protesta o astrofísico Antonio Carlos Miranda, da UFRPE, presidente da Associação Amigos do Espaço Ciência. 

O cenário de descaso é o mesmo para os Museus de Ciência. Desde 2013, o esvaziamento das políticas de financiamento dos centros de divulgação científica tem causado o fechamento de  Museus e ameaçado vários outros.

LEIA MAIS SOBRE O CENÁRIO DE DESCASO PARA MUSEUS DE CIÊNCIA

“Estamos todos de luto pelo Museu Nacional. Pior que isso: estamos de luto pela cultura e ciência do país, que está sendo queimada progressivamente”, denuncia Pavão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *