COMEÇA ORGANIZAÇÃO DA SNCT-PE

Em debate, participantes de 9 cidades concluem que Ciência pode, e deve, ser usada para reduzir desigualdades

Com a presença de representantes de Recife, Paulista, Jaboatão, Ibimirim, Saloá, São Vicente Férrer, Ipojuca, Garanhuns e Arcoverde, o Espaço Ciência deflagrou, nesta quarta (09), o processo de organização da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Pernambuco. Com a contribuição da cientista política Nara Pavão, os participantes debateram o tema da SNCT e concluíram que a Ciência tem muito a contribuir com a redução das desigualdades.

Estudos desenvolvidos em Ciências Econômicas, Ciências Políticas e várias outras áreas do conhecimento têm ajudado a compreender melhor o fenômeno das desigualdades econômicas e sociais. Desta maneira, servem como base para a construção de políticas públicas.

“Precisamos alargar o nosso conceito de Ciência para compreendê-la como um método que pode ser utilizado por qualquer área do conhecimento para melhor compreender fenômenos diversos. A desigualdade é um destes objetos de estudo e a Ciência pode, e deve, ser utilizada para ampliar a compreensão sobre ela”, afirma Nara Pavão.

Segundo ela, vários estudos têm verificado, por exemplo, que a desigualdade é autossustentável e tem um motor próprio: “Ao contrário do que se imaginava, a igualdade não surge com o desenvolvimento econômico. O fato de se gerar mais renda não faz com que esta riqueza seja naturalmente melhor distribuída”, explica Nara. E quanto mais desigual é uma sociedade, maior a tendência de aumentar esta desigualdade.

De acordo com Nara, uma pesquisa na área de Psicologia revela que, em uma sociedade em que há muita concentração de riqueza, os sistemas de dominação e de desigualdade social são naturalizados pela população, que não conseguem vislumbrar qualquer possibilidade de mudança. “Os estudos mostram que, se deixarmos a renda desregulada, as desigualdades se ampliam. Ou seja, a igualdade precisa ser promovida, com políticas públicas”, ressalta.

Para a cientista política, a Ciência já mostrou que o tema da desigualdade não é apenas um discurso de esquerda ou de direita. “A desigualdade tem consequências: gera conflitos, amplia a violência, reduz o crescimento econômico”.

DEBATE – No debate inaugural do processo de organização da SNCT-PE, os participantes puderam perceber que não é a Ciência, isoladamente, que reduz as desigualdades. Ela pode inclusive ser utilizada para ampliar estes abismos, com criação de mecanismos de dominação ou com investimentos seletivos que mantém as desigualdades.  Mas também pode ser usada para fortalecer políticas públicas de distribuição de renda.

A educação e a divulgação científica, por exemplo, podem ser ferramentas de mudança. “Todos reconhecem que a Educação é o gargalo da desigualdade. Mas é necessário uma Política de Estado contundente e contínua para que o acesso ao conhecimento possa reverter na redução de desigualdades”, diz Nara.

Para Robson Costa, do IFPE (Instituto Federal de Pernambuco),  o tema da SNCT 2018 abre um leque de possibilidades. “Ele ajuda a ampliar o conceito de Ciência e pensá-la de forma integrada, abrangendo as Ciências Humanas  e Sociais”, diz.

A próxima reunião está marcada para 13 de junho. “É importante que, neste encontro, a gente já apresente sugestões de atividades e os polos interessados em sediar a abertura ou encerramento apresentem suas candidaturas. E vale ressaltar que, embora a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia aconteça de 15 a 21 de outubro, as atividades podem, e devem, acontecer durante o ano inteiro”, ressalta Roberta Cristina, da coordenação da SNCT-PE 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *