Josué Apolônio de Castro

(1908-1973) Geógrafo Homenageado em 2009
Série Sinopses Biográficas

josué-de-castroJosué Apolônio de Castro nasceu no dia 5 de setembro de 1908, em Recife. Seu trabalho científico é marcado pela multidisciplinaridade. Além da fome, também estudou diversas questões de interesse global que lhe são relacionadas, como o meio ambiente, o subdesenvolvimento e a paz.

Josué Castro fez seu curso secundário no Recife, no Instituto Carneiro Leão e no Ginásio Pernambucano. Iniciou seus estudos em medicina na Bahia, concluindo o curso em 1929, no Rio de Janeiro, na Faculdade Nacional da Universidade do Brasil, com apenas 21 anos.

Ainda em 1929, Castro esteve no México, viajando depois para os Estados Unidos, onde fez um estágio de quatro meses na Universidade de Columbia e no Medical Center de Nova York. Em 1932, escreve Condições de vida das classes operárias do Recife, pesquisa pioneira que estabeleceu, pela primeira vez, as relações entre a produtividade do trabalhador e sua alimentação.

Nesse ano, Castro inicia a carreira de docente tornando-se professor livre-docente, lecionando Fisiologia e posteriormente Geografia Humana, na Faculdade de Medicina do Recife. Em 1933, foi um dos idealizadores e fundadores da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais do Recife (FAFIRE), onde ensinou Geografia Humana.

Em 1934, o jovem médico e professor casa-se com a Miss Pernambuco de 1930, Glauce Rego Pinto – que fora sua aluna na FAFIRE, com quem teve três filhos: Josué Fernando, Anna Maria e Sônia. Em 1935, muda-se para o Rio de Janeiro e passa a ensinar Antropologia.

Castro é convidado oficial do Governo Italiano em 1939 para realizar um ciclo de conferências sobre “Os Problemas de Aclimatação Humana nos Trópicos”. E convidado oficial de Governos de vários outros países para estudar problemas de alimentação e nutrição – entre eles, Argentina (l942); Estados Unidos (l943); República Dominicana (l945); México (l945); e França (l947).

Após o ano de 1940, Castro passa a participar de todos os projetos governamentais relacionados à alimentação, através da coordenação da implantação dos primeiros restaurantes populares, direção das pesquisas do Instituto de Tecnologia Alimentar e colaboração para a execução de várias políticas públicas, como a educação alimentar.

Escreve, em 1946, o livro Geografia da Fome, afirmando que a fome não era um problema natural, isto é, não dependia nem era resultado dos fatos da natureza, ao contrário, era fruto de ações dos homens, de suas opções, da condução econômica que davam a seus países.

Durante o Golpe Militar de 1964, Castro, então Deputado Federal, foi considerado subversivo pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). Sua luta contra a fome e a 80 Ciências Humanas, Sociais e Letras necessidade da reforma agrária eram temas inconvenientes para os conservadores que promoveram o Golpe, o que culminou com sua cassação, exilando-se na França.

Passou, então, a lecionar na Sorbonne e, ainda inconformado com o exílio, falece, em Paris, em 24 de setembro de 1973.

Entre os cargos que ocupou, Castro foi Presidente da Sociedade Brasileira de Alimentação de 1942 a 1944, Delegado do Brasil na Conferência de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, convocada pela FAO (Food and Agriculture Organization) em agosto de 1947, foi Presidente do Conselho da Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) entre 1952 e 1956, Presidente da Associação Mundial de Luta Contra a Fome (ASCOFAM), Presidente eleito do Comitê Governamental da Campanha de Luta Contra a Fome da ONU, em 1960, Embaixador do Brasil na ONU, em Genebra, 1962 a 1964, Fundador e Presidente do Centro Internacional para o Desenvolvimento (CID) em Paris entre 1965 a 1973.

Entre os prêmios e títulos que recebeu, estão o Prê- mio Pandiá Calógeras em 1937, o Prêmio José Veríssimo da Academia Brasileira de Letras em 1946, o Prê- mio Roosevelt da Academia de Ciências Políticas dos EUA em 1952, a Grande Medalha da Cidade de Paris em 1953, o Prêmio Internacional da Paz em 1954 (conferido pelo Conselho Nacional da Paz), Grã-Cruz do Mérito Médico no Brasil e Oficial da Legião de Honra na França em 1955.

Além disso recebeu o título de Professor Honoris Causa da Universidade de Santo Domingo, na República Dominicana, em 1945 e da Universidade de San Marcos, no Peru em 1950.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *